11ª FELIS 2017 » NOTÍCIAS » 05/11/2016 - Prefeitura e Sesc abrem a 10ª Feira do Livro de São Luís nesta segunda-feira (7)
05/11/2016 - Prefeitura e Sesc abrem a 10ª Feira do Livro de São Luís nesta segunda-feira (7)

05/11/2016

Prefeitura e Sesc abrem a 10ª Feira do Livro de São Luís nesta segunda-feira (7)

 


A 10ª Feira do Livro de São Luís (FeliS) abre programação nesta segunda-feira (7) para receber os mais de 200 mil visitantes, entre turistas e moradores locais, que celebrarão a tradição literária e cultural da capital maranhense. Este ano, a Feira homenageará o poeta maranhense Gonçalves Dias. Com o tema "Ler a Cidade e suas Memórias", o maior evento literário do Maranhão vai até o dia 13 de novembro, na Praia Grande. A FeliS ficará aberta das 13h às 22h todos os dias com programações voltadas para todas as idades. O evento é realizado pela Prefeitura de São Luís e tem, como correalizadores, o Serviço Social do Comércio (Sesc) e a Associação dos Livreiros do Maranhão (Alem).

O secretário municipal de Cultura, Marlon Botão, convidou toda a população para participar dos sete dias de FeliS. "A Feira do Livro estará preparada para receber bem todos os visitantes. Convidamos todas as famílias, estudantes, professores, comunidade local e turistas que desejem saber mais sobre nossa cidade e sobre o mundo literário, para vir prestigiar esse grande evento que já se consolidou no calendário cultural maranhense", afirmou o titular da Secretaria Municipal de Cultura (Secult).

A programação da X FeliS incluirá atividades artísticas, lançamentos de livros, palestras, oficinas e debates com escritores, pesquisadores e poetas de relevância local e nacional. O espaço que está sendo montado no Centro Histórico de São Luís abrigará também exposições e vendas de artigos literários.

O evento ocupará as ruas, praças e espaços culturais do Centro Histórico, com estrutura que compreende 36 estandes para livreiros, nove estantes institucionais, cinco auditórios para palestras, debates e conferências, quatro espaços infantis e um palco principal na escadaria da Praça Nauro Machado.

ABERTURA

A conferência de abertura acontecerá na Praça Nauro Machado, às 20h, com o pesquisador Weberson Grizoste, especialista na obra de Gonçalves Dias. Ao longo da programação, várias atividades desvendarão as facetas de Gonçalves Dias, por meio de palestras, debates, intervenções artísticas e rodas de conversa. "Gonçalves Dias é um patrimônio maranhense da comunidade brasileira. É também um grande pesquisador do indigenismo, tendo conhecido, como poucos, a Amazônia e o Brasil", explicou Grizoste.

O pesquisador também lembrou o posicionamento político de Gonçalves Dias. "Ele criticou a política imperial e foi inclusive demitido do jornal em que atuava, o Guanabara. Outro ponto que merece destaque é a paixão por Olímpia, menos conhecida que Ana Amélia, mas ainda assim importante. Na palestra, vamos falar sobre essa trajetória e obra política", descreveu o pesquisador.

Celebrando 10 anos de Feira do Livro, Gonçalves Dias foi escolhido entre diversos nomes de escritores e poetas maranhenses por ser considerado o poeta maior da Literatura Brasileira. O maranhense é patrono da cadeira de número 15 da Academia Brasileira de Letras, por escolha do poeta Olavo Bilac. Gonçalves Dias também é exaltado como um dos criadores do Romantismo Brasileiro e é reconhecido pela capacidade de construir versos sobre as mais variadas temáticas, como a saudade, o amor, o índio, a identidade cultural de um povo, entre outros.

TECNOLOGIA E PRESERVAÇÃO

Para a coordenadora da Feira do Livro, Rita Oliveira, a realização do evento no Centro Histórico contribui para resgatar a memória da cidade. "A população aprova a realização da Feira do Livro no Centro Histórico. Aqui é o cenário perfeito para enaltecer os grandes expoentes da nossa literatura, fomentando assim políticas culturais e de educação", explicou Rita. A coordenadora lembrou ainda que a Feira do Livro tem o objetivo de estimular a formação de novos leitores e incentivar as cadeias produtivas em torno do livro, da mediação da leitura e da economia criativa do livro.

Consciência ambiental e necessidade de preservação do patrimônio histórico também vão marcar a décima edição da Feira do Livro. Para evitar o desperdício de papel e contribuir com a preservação do meio ambiente, a programação do evento será disponibilizada em tempo real, por meio do sistema de QR Code, que estará visível em todos os principais espaços de programação e poderá ser escaneado com a câmera dos aparelhos celulares dos frequentadores da feira. A iniciativa, pioneira para a FeliS, contribuirá também para diminuir o volume de impressos, que resultariam na formação de lixo na cidade.

ESTRUTURA

A X FeliS ocupará cerca de 2 mil metros quadrados do Centro Histórico de São Luís. A programação ocorrerá em espaços como Cine Praia Grande, Casa do Maranhão, Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, Escola de Cinema (IEMA), Beco Catarina Mina, estacionamento da Câmara Municipal, auditório da Defensoria Pública do Estado do Maranhão, auditório da Associação Comercial do Maranhão, o Teatro João do Vale, a Galeria Trapiche, o Anfiteatro Beto Bittencourt, as ruas Trapiche, Portugal e Estrela e a Praça Nauro Machado.

Com mais de 120 atividades artísticas, 65 lançamentos de livros de escritores maranhenses, 28 palestras, mais de 20 oficinas, sete debates literários com escritores, pesquisadores e poetas maranhenses, 14 escritores nacionais e outras atividades paralelas de intervenções, exposições, vendas de livros e artigos literários, a vasta programação da 10ª edição da Feira do Livro de São Luís contemplará todas as idades e envolve a participação direta de escritores renomados, ilustradores, mediadores da leitura e contadores de histórias, artistas, entre outros convidados.

Este ano, o palco principal das conferências será instalado na Praça Nauro Machado, possibilitando uma participação mais próxima da população com os escritores convidados. "Outro destaque é a programação de cinema, dentro da Casa do Maranhão e no Cine Praia Grande, que vai oferecer sessões de filmes infantis, de filmes produzidos por cineastas locais, além de mostras em homenagem ao Festival Guarnicê e ao cineasta Hector Babenco", destacou Rita Oliveira.