11ª FELIS 2017 » NOTÍCIAS » 11/11/2016 - Atividades incentivam a valorização do livro e da cultura na 10ª FeliS
11/11/2016 - Atividades incentivam a valorização do livro e da cultura na 10ª FeliS

11/11/2016

Atividades incentivam a valorização do livro e da cultura na 10ª FeliS

 

O índio brasileiro foi uma figura exaltada por Gonçalves Dias. Este ano, a Feira do Livro de São Luís completa 10 anos e escolheu o poeta como patrono da edição. A cultura indígena foi celebrada nesta quinta-feira (10) no Museu de Arqueologia pelo grupo Casa do Sol com o espetáculo "Contos das Florestas", com uma série de lendas indígenas. Para vislumbre do público um grupo de índios apareceu durante o espetáculo e partilhou experiências com os presentes.

Na conferência da noite, a palestrante Stella Maris Rezende (MG) falou sobre o "Livro: um objeto mágico", mediada pela doutora em ciências da informação, Aldinar Martins Botenttuit. "Toda forma de ler é uma coisa boa, o livro é realmente mágico. As palavras, a linguagem escrita, o texto, não deve ser desvalorizado, temos autores importantes que defendem o que é o livro e sua importância que devem ser sempre referência para nós".

Stella é Mestre em Literatura Brasileira pela Universidade de Brasília, escritora e atriz. Tem dezenas de livros publicados, entre romances, novelas, crônicas, contos e poemas, para o público adulto e o infantojuvenil. Recebeu prêmios importantes, dentre eles, o Prêmio Brasília de Literatura e o quarto Prêmio Jabuti em 2014. No final dos anos 1970 e no início dos 80, interpretou a personagens de programas infantis nas TV Manchete/Brasília e TV Record/Brasília.

CINEMA

O Cine FeliS exibiu nesta quinta (10) o longa 'Luíses – Solrealismo maranhense', de Lucian Rosa que já ganhou prêmios de melhor direção, melhor ator e melhor direção de arte no festival "Guarnicê", o maior do Maranhão, e foi exibido em diversas mostras de cinema.

Lançado em outubro de 2013, 'Luíses' é uma produção do Éguas Coletivo Audiovisual, feito sem recursos e traz depoimentos de jornalistas, moradores de rua e usuários do sistema público de saúde que denunciam descasos nestas áreas, abordando a corrupção no Estado.

No mesmo dia também teve sessão de "Animações Maranhenses" com mostra especial de filmes de animação produzidos por animadores maranhenses, exibindo as produções da Dupla Criação: "Joca e a estrela", "A pequena história da lenda de Ana Jansen" e "Balaiada: A Guerra do Maranhão".

Contos e Cordel

O espaço Sebo Cultural está com programação todos os dias de Feira o Livro. O Odylo Costa, filho foi palco para o Bate Papo Cordel, Grito Literário, Leozinho, Núbia, Paulão, Discotecagem Suco de Fruto e Exposições Artísticas.

O Pé-de-Livro foi ocupado pela Cia. do Imaginário que contou histórias para adultos no "Miúdos contos para gente graúda".

O Circo tá na Rua atraiu o público com um belíssimo espetáculo de pirofagia, usando da arte circense durante um cortejo com labaredas de fogo e parada na no Canto da Cultura (Rua da Estrela) para a apresentação "Hestia: Bela, recatada e do lar".

O grupo teatro e dança também foi sucesso de plateia na Nauro Machado com a performance "Bicho Solto", uma teatralização do livro de mesmo nome.

ESPAÇO JOVEM

O maranhense Igor Nascimento e o carioca Gustavo Lacombe participaram do Bate-papo jovem, mediado pelo Literatura Mútua. Inspirado pelos prosadores Victor Hugo, Donton Evisque e Saramago, Igor escreve poesia, prosa, conto dramaturgia. "Leio e escrevo, escrevo e leio, porque quando lemos conseguimos escrever e quando você escreve, automaticamente está lendo. Iniciei minha vida de escritor lendo Carlos Drummond de Andrade, quando fugia das aulas de engenharia".

Gustavo, de 26 anos, é jornalista e carioca da gema. Escreve por esporte, paixão e prazer. Na oportunidade, ele divulgou o seu segundo livro O amor é para raros. "Aqui é um lugar de promoção da literatura e participar de um espaço jovem, levando a leitura para uma nova geração, é contribuir para o crescimento de leitores. Eu cresci numa casa que tinha muitos livros, mas meus pais não liam tanto. Os pais ajudam muito na ação dos leitores. Tive sorte porque minha família sempre foi voltada pra educação e minha escola primava pela leitura. A minha descoberta pra leitura foi com Harry Potter, e na minha época essa literatura não era recomendada, mas foi a partir dele que vivi o prazer de sentir os livros".

O autor falou ainda sobre participar pela primeira vez da Feira do Livro de São Luís. "Em cem anos, o mercado de livros cresceu, mas o número de leitores não aumentou, poder colaborar para a mudança dessa realidade é uma realização pessoal e profissional. O espaço para o autor independente é muito difícil, porque não temos estrutura de uma editora, então para eu conseguir divulgar meu trabalho preciso me agenciar. Com esse espaço da Feira do Livro isso facilita muito, o convite para quem está começando em um evento tão grandioso é uma oportunidade excelente".

10ª FeliS

A 10ª Feira do Livro de São Luís (FeliS) este ano homenageia o poeta maranhense Gonçalves Dias. Com o tema "Ler a Cidade e suas Memórias", o maior evento literário do Maranhão vai até o dia 13 de novembro, na Praia Grande. A FeliS ficará aberta das 13h às 22h todos os dias com programações voltadas para todas as idades. O evento é realizado pela Prefeitura de São Luís e tem, como correalizadores, o Serviço Social do Comércio (Sesc) e a Associação dos Livreiros do Maranhão (Alem).

A programação completa está disponível no Portal da Prefeitura (www.saoluis.ma.gov.br) e no site da Feira do Livro de São Luís (www.feiradolivrodesaoluis.com.br).