11ª FELIS 2017 » NOTÍCIAS » 15/11/2017 - Escritores maranhenses lançam obras inéditas na 11ª FeliS
15/11/2017 - Escritores maranhenses lançam obras inéditas na 11ª FeliS

15/11/2017

Escritores maranhenses lançam obras inéditas na 11ª FeliS

 

O feriado desta quarta-feira (15) foi marcado por literatura, palestras, contações de histórias e programação de incentivo à leitura e ao livro na 11ª Feira do Livro de São Luís (FeliS). Nesta quinta (16), a ex Ministra das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos, Nilma Lino Gomes irá ministrar a palestra "Mulher, Igualdade Racial e Direitos Humanos", mediada pelo secretário de Estado da Igualdade Racial (SEIR), Gerson Pinheiro, às 20h, no Teatro Alcione Nazaré (Odylo Costa, filho).

No Anfiteatro Beto Bittencourt, às 18h, a Cia Cambalhotas faz o espetáculo "O Circo de dois palhaço só", e às 20h tem o Sarau Ecos Caóticos. Ainda como programação artística, a Tapete Produções Cênicas faz a intervenção de rua "Palavras Viajantes", às 16h, e o Circo tá na rua realiza a intervenção "Voadores", às 19h. Na Praça do Reggae (Centro Histórico) tem show com o cantor de reggae Dub Brown e o Dj Andrezinho Vibration, a partir das 21h.

No Café Literário (Odylo Costa, filho), das 14h às 17h, tem o "Café Literário Jovem", com as escolas do ensino médio: C.E. Colégio Militar Tiradentes (Música e Poesia); C.E. João Francisco Lisboa (Breve, Vida Breve); U.I. Maria Firmina dos Reis (Música e Poesia). Logo após tem o sarau musical "Brilhando no café: Maria Firmina em verso e prosa" e a roda de conversa "Cultura do Fã", com o Clube do Livro Maranhão.

Na Casa do Maranhão, o Auditório 1 (Raimunda Pereira) tem às 10h a roda de conversa "Juventude, representatividade e literatura", com Jhow Carvalho (SP), e mediação de Socorro Costa. Às 16h, acontece a palestra "O impacto do programa proposto pela ONU para a Década de Afrodescendente no contexto local", com a Dra. Silvana Cristina Niemczewski (OAB/PR), e mediação de Susan Lucena. O espaço também recebe exposições e entretenimento. Já no Auditório 2 (Úrsula), às 10h, tem o bate papo "A mulher na cena cultural e literária" - Mary Ferreira, Talita Guimarães e Jorgeana Braga, e mediação de Lúcia Gato (Presidente do Conselho Estadual da Mulher).

Ainda no Auditório 2, às 14h tem a roda "A mulher afro na literatura: talentos sufocados por uma educação patriarcal", com Francisca Passos (UFMA/SEDUC) e Dr. Antônio de Assis Cruz Nune (UFMA/PPGEEB), e mediação de Raquel Melo de Assis (SEDUC). Às 15h30 será a vez de debater sobre "A mulher no reggae", com NegaGlícia, Carla Freire e Thalisse Ramos. Em seguida acontece a roda de conversa "Reggae. A construção da identidade contemporânea do maranhense", com Waldinei Silva, Prof. Dr. Carlos Benedito (UFMA), Ademar Danilo (SECTUR) e mediação de Cláudio Adão (GDAM).

Em paralelo, a programação acontece no Auditório 3 (Cantos a Beira Mar) a partir das 14h com a palestra "Como identificar e trabalhar os conteúdos contidos nos Descritores de Língua Portuguesa do 5º ao 9º ano", com a Profa. Modestina Cardoso Carvalho e Profa. Maria Antônia Rosa Sá. Às 15h30 tem a palestra "Era uma vez... uma história sobre os primeiros livros, autores e professores de matemática ludovicenses" com a Profa. Dra. Waléria Soares. Encerrando as atividades neste espaço tem a palestra "Vida e obra de Josué Montello" com Wanda França, da Casa de Cultura Josué Montello (CCJM) e mediação de Joseane Souza (CCJM).

Quem toma de conta do Espaço Viriato Corrêa (Casa do Maranhão) nesta quinta-feira (16) será a UFMA/Departamento de Biblioteconomia/CRB13, com programação das 13h às 18h30. As atividades incluem a contação de história "Caixa Mágica de Surpresa", jogos culturais na "Oficina Brincriando", livros nas mãos dos leitores com a "Geladeteca", além de sorteio de livros infantis e juvenis. Quem mediará as atividades são os alunos do Curso de Biblioteconomia da UFMA/Disciplina Leitura e Formação de Leitores, com coordenação da Profa. Dra. Leoneide Maria Brito Martins, Profa. Dra. Aldinar Martins Bottentuit e Profa. Ms. Maria Cléa Nunes, e colaboração das Bibliotecárias Conselheiras do CRB – 13ª Região.

Também com programação infantil, o "Espaço Sesc/Semed de Leituras" (Praça da Praia Grande) tem ação das 13h30min às 20h, com contação de histórias, música, dramatizações, dança, pintura de rosto, oficinas, dobraduras, apresentações de projetos das escolas públicas municipais de são luís, apresentações artísticas, brincadeiras e jogos educativos. No Palco FeliS tem contação às 10h com o grupo Tapete Produções Cênicas, às 15h com o Grupo Poranbuba e às 17h com o Laborarte.

A programação se estende também para o Centro de Cultura da Vale, com o Espaço Babaçu, que recebe a apresentação teatral "O Santo e o Porco", do C.E. Colégio Militar 02 de Julho. No Auditório tem o espetáculo "Linguístico apresentando a fala e o vocabulário maranhense e dança", do C.E. Maria José Aragão.

LANÇAMENTO DE LIVROS

Durante os dez dias de programação, a Feira do Livro de São Luís dá destaque para os escritores e realiza o lançamento de 56 obras literárias, destas 40 livros são de escritores maranhenses que tem a oportunidade de lançarem suas obras na 11ª FeliS. Nesta quinta-feira (16), na Casa do Escritor Maranhense (Cine Praia Grande) tem lançamentos de livros a partir das 16h, começando com "Lili Ifrit e o mundo dos humanos", de Jaqueline da Costa Dutra de Morais; "Cenas escondidas de um trabalho árduo", de Maria Goreth Cantanhede; "Palavras de um pequeno poeta Cordel", de Renato Lucas Pereira Gomes; e "João, o menino cantador" (biografia), de Andréa Oliveira.

Entre as temáticas abordadas nas publicações, quatro falam sobre a vida e obra da patrona do evento, a escritora maranhense Maria Firmina dos Reis e sete outras são de literatura infantil, com destaque para os autores mirins com idade de 8 a 12 anos, do Núcleo de Enriquecimento para Estudantes com Características de Altas Habilidades ou Superdotação (NEECAHS), localizado na Rua de Santana (Centro), ligado à Secretaria Municipal de Educação (Semed). As histórias abordam vários temas como bullying, tolerância, respeito, lendas, reciclagem, tecnologia, entre outros.

Além da Casa do Escritor Maranhense, muitos escritores que não se inscreveram na Chamada Pública para lançar livros na 11ª FeliS acabam procurando a organização do evento para lançar oficialmente a sua obra, como é o caso do escritor Jansen Nascimento que lançou, nesta quarta-feira (15), no Espaço "Pé de Livro", o livreto "Relatos da BR – Amarra Couro", parte de uma série na qual o autor conta histórias de onde passou. Jansen, natural da Bahia, é ciclista e já viajou por 18 estados do país, está em São Luís desde o início de novembro.

PÚBLICO

Um grupo de estudantes da UEMA - Campus Santa Inês visita todos os anos a Feira do Livro de São Luís, incentivados pela professora Graça Figueiredo que aluga o ônibus e traz a caravana para se encantar pelo mundo literário. A ex aluna Valdenia Sousa, já vem há 8 anos e hoje, mesmo não sendo mais aluna, veio de Santa Inês e trouxe sua filha Vida (7 anos), e dois amiguinhos dela, Gustavo (8 anos) e Artur (11 anos). "Minha filha já vem há cinco anos, mas os meninos é a primeira vez. Assim como me incentivaram a conhecer, faço o mesmo com eles e todos os anos voltamos porque gostamos de tudo que acontece aqui, a Feira é encantadora".

PROGRAMAÇÃO

Nesta quarta-feira (15) a programação contou com exposições, rodas de conversa, palestras, apresentações culturais, lançamentos de livros e programação infantil divididas em 22 espaços, sendo 34 estandes de livreiros para comercialização de livros e artigos literários, 6 estandes de instituições parceiras (SECTI, AML, ALL, IHGM, UEMA e FAPEMA), 10 espaços para sebos, 3 auditórios na Casa do Maranhão (Auditório I – Raimunda Pereira (Dica), Auditório II – Úrsula e Auditório III – Cantos a Beira Mar), Espaço Viriato Corrêa (Casa do Maranhão), Espaço Criança Sesc/Semed, Palco FELIS, Pé de Livro, Casa do Escritor Maranhense (Cine Praia Grande), Sala de Multimídia (Cine Praia Grande), Teatro Alcione Nazaré, Galeria Nauro Machado (Odylo Costa, filho), Café Literário e exposição na Galeria Valdelino Cécio (Odylo Costa, filho) e Anfiteatro Beto Bittencourt, que recebeu atividades com o Movimento Reocupa, com Mel Amado Duarte (SP) e Luciana Aline Aparecida Ribeiro (SP).

No Auditório 2 (Úrsula), uma das rodas de conversa que aconteceu foi "A Literatura como direito humano", que teve como convidada Bel Santos (SP), David Ferreira Nascimento (Rede de Bibliotecas Comunitárias Ilha Literária), Jhonatan Soares (SEDUC), e mediação de José Neres (AML). Na oportunidade, os debatedores falaram sobre o cenário local e nacional e os desafios na formação de leitores. "É importante essa troca e fortalecimento mútuo, porque a formação de leitores é uma questão enfrentada nacionalmente. A cultura acaba ficando mais ameaçada em momentos de crise, então precisamos da literatura para superar esta fase. Precisamos entender a leitura como algo essencial, se conseguirmos tornar isso uma realidade possível, o leitor em formação não fica preso a ler só para um evento ou determinada situação, a leitura passa a fazer parte da sua vida e é encarada como algo importante", frisou Bel Santos.